25% da renda do Nordeste é dependente de aposentadorias e programas sociais

As aposentadorias do INSS representaram 55% do total de transferências em 2017 e 2018. (Foto: Reprodução Internet)
A Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) 2017-2018, foi divulgada nesta sexta-feira (04), realizada pelo Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a dependência das famílias brasileiras em aposentadorias e programas sociais aumentou.
Sozinhas, as aposentadorias do INSS representaram 55% do total de transferências em 2017 e 2018. As famílias nordestina são as que têm a maior dependência dessas fontes, que representam 24,6%, da renda média na região, que é R$ 3.557,98. Nove anos atrás, na última pesquisa, as transferências representavam 22,5% da renda.
Quando se trata das famílias mais pobres da região, aquelas com renda inferior a dois salários mínimos, as aposentadorias e os programas sociais representam cerca de 32,4% do rendimento médio. Para aquelas com renda entre R$ 1.908 e R$ 2.862, a parcela é ainda maior: 37,9%.
Já entre as mais ricas, que têm renda familiar acima de R$ 23.850, representa 15,9% do rendimento médio.

Recomendado para você