MPF quer apoio de Exército e PM para evitar aglomeração em agências da Caixa em Caruaru

HomeCARUARU E REGIÃO

MPF quer apoio de Exército e PM para evitar aglomeração em agências da Caixa em Caruaru

O Ministério Público Federal (MPF) em Caruaru (PE) quer o apoio do Exército e da Polícia Militar para evitar aglomerações em agências da Caixa Eco

Confira a programação de aulas para alunos da rede municipal de ensino de Caruaru na TV Câmara desta semana
Caruaru tem quase 100 casos de Covid-19 confirmados e 10 mortes
Em Caruaru, barreiras sanitárias e pontos estratégicos realizaram mais de mil testes em 15 dias

Intensa aglomeração de pessoa em agência da Caixa no centro de Caruaru na quarta-feira (29). (Foto: Mikhael Marcolino/ Portal Mídia Urbana).

O Ministério Público Federal (MPF) em Caruaru (PE) quer o apoio do Exército e da Polícia Militar para evitar aglomerações em agências da Caixa Econômica Federal (CEF) no município, intensificadas devido à retirada do auxílio emergencial pelos cidadãos.

Em ofício destinado ao Comando da 7ª Região Militar e ao Comando do 4º e do Batalhão Especializado Integrado de Policiamento (Biesp), o procurador da República Luiz Antonio Miranda Amorim Silva solicita, na medida das possibilidades dos órgãos, apoio especialmente para organização das filas, de forma a mitigar a possibilidade de contaminação pelo coronavírus.

O MPF recebeu informações de filas enormes, sem distanciamento mínimo entre as pessoas, nas agências da cidade. O procurador da República instaurou procedimento para apurar os fatos, a exemplo do que fez na última semana, diante de situação similar nas agências da CEF no município de Bezerros.

Ele argumenta que Caixa e Prefeitura de Caruaru, já acionadas pelo MPF para adotarem as medidas necessárias no cenário da pandemia, enfrentam dificuldades como insuficiência de pessoal para cuidar simultaneamente da organização das filas, bem como da orientação e atendimento aos cidadãos sobre o benefício.

Conforme consta no procedimento, o MPF alerta que é necessária a cooperação das autoridades governamentais e da população “para evitar a formação de aglomeração e a criação de um ponto de contágio exatamente no local em que várias pessoas precisam ir para garantir os recursos dos quais dependem para sobreviver”.

O MPF também ajuizou ação civil pública (processo nº 0808133-50.2020.4.05.8300), com pedido de liminar, contra a Caixa Econômica Federal, a União e o estado de Pernambuco, para que sejam tomadas providências que façam cessar as aglomerações nas agências da instituição financeira em todo o estado. O processo aguarda a decisão da Justiça Federal.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0