Bolsonaro teria dito em reunião que troca na PF-RJ seria para proteger família que é “perseguida”

HomeBRASIL

Bolsonaro teria dito em reunião que troca na PF-RJ seria para proteger família que é “perseguida”

O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) teria dito na reunião ministerial do dia 22 de abril que a troca do superintendente da Polícia Federal,

Paulo Câmara vai se reunir com ministros de Bolsonaro na próxima semana
Lula bate Bolsonaro no 2º turno com facilidade, diz pesquisa
Bolsonaro nomeia Rolando Alexandre de Souza para a PF, indicado de Ramagem

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) teria dito na reunião ministerial do dia 22 de abril que a troca do superintendente da Polícia Federal, no Rio de Janeiro, seria para proteger a sua família. De acordo com a CNN Brasil e GloboNews, ele cita a “segurança do Rio” para a troca, afirmando que sua família é perseguida.

Na gravação, Bolsonaro teria falado sobre a necessidade da troca a Sergio Moro, então ministro da Justiça. O vídeo desse encontro é uma das evidências do inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) após Sergio Moro deixar o ministério da Justiça acusando Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal.

O vídeo foi exibido nesta terça-feira (12) em Brasília a pessoas envolvidas com a investigação. A avaliação de fontes que acompanham a investigação é que o vídeo é devastador para Bolsonaro, pois comprova a acusação de Moro de que o presidente da República tentou interferir na Polícia Federal.

Para a defesa de Sergio Moro, o conteúdo “confirma integralmente as declarações” do ex-ministro e “não possui menção a nenhum tema sensível à segurança nacional”, como alegou Bolsonaro na noite desta segunda-feira (11). “É de extrema relevância e interesse público que a íntegra desse vídeo venha à tona”, disse o advogado Rodrigo Sánchez Rios, que está atuando na defesa de Sergio Moro.

Ainda na segunda-feira, Bolsonaro afirmou que não está preocupado com o vídeo da reunião ministerial. A gravação faz parte da investigação aberta com autorização do STF (Supremo Tribunal Federal) depois que Moro deixou o governo acusando Bolsonaro de tentar interferir politicamente na Polícia Federal.

Moro pediu demissão no dia 24 de abril, após Bolsonaro exonerar Maurício Valeixo da direção geral da PF. Em depoimento dentro da investigação, o ex-ministro disse que o presidente não explicou o motivo da mudança.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0