Eleições 2022: A indefinida possível candidatura de Raquel e a largada na dianteira do PSB

HomeDIRETO DA REDAÇÃO

Eleições 2022: A indefinida possível candidatura de Raquel e a largada na dianteira do PSB

O cenário político para as eleições de 2022 ainda é muito incerto no cenário nacional, assim como no cenário local. Os caruaruenses ainda não sabem qu

Encontro de mulheres empreendedoras será realizado em Caruaru
Atleta de Caruaru busca ajuda para disputar campeonato
Caruaru amplia vacinação contra a Covid-19 para maiores de 17 anos

O cenário político para as eleições de 2022 ainda é muito incerto no cenário nacional, assim como no cenário local. Os caruaruenses ainda não sabem quem serão e quantos serão candidatos ao pleito para deputado estadual, federal ou até mesmo se haverá um candidato de Caruaru almejando o Palácio do Campo das Princesas, no Governo de Pernambuco.

Raquel Lyra (PSDB) seria a “menina dos ovos de ouro” do partido tucano, diga-se de passagem para lá de combalido, para uma possível tentativa de fazer oposição ao possível candidato socialista e ex-prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB). A prefeitura da Capital do Agreste, que obteve uma das reeleições para lá de histórica e que funcionou como um puxão de tapete para o atual deputado estadual, Erik Lessa (PP), é também um dos principais nomes e talvez um dos mais fortes entre os oposicionistas ao governador Paulo Câmara (PSB).

Porém, enquanto o PSB com Paulo Câmara, agora liderado mesmo que informalmente pelo prefeito do Recife, João Campos (PSB), segue na dianteira na costura pelo pleito estadual das eleições de 2022. Enquanto isso, a oposição continua perdida e mais desunida que forte para uma possível mudança de partidos no comando do executivo estadual.

E em meio a desunião e indefinição, além de Raquel Lyra, temos na roda de possíveis candidatos o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), a deputada estadual petista Marília Arraes (PT), entre outros nomes. Além das figurinhas já conhecidas Armando Monteiro, que não deve passar pelo vexame de uma terceira derrota seguida para os socialistas pernambucanos e a família Campos e Mendonça Filho (DEM), que ainda não deixou claro se almejará o Senado Federal ou algo a nível estadual. 

A corrida eleitoral para o governo estadual nas eleições de 2022 já estão ocorrendo a todo vapor. E parece que enquanto os socialistas já estão bem adiantados, a oposição vai seguir a linha e, talvez, o fatídico caminho das chamadas “vias alternativas” com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckimin (PSDB) em 2018, que brincaram de desunião e entregaram de bandeja o Palácio do Planalto a Jair Bolsonaro (Sem Partido). 

De uma coisa é certa, os Campos, Paulo Câmara e os socialistas pernambucanos já largaram na frente e neste momento estão mais equipado para as eleições de 2022 que a apenas “crítica por crítica” oposição. 

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: