Metrô do Recife será entregue à iniciativa privada; Estado será regulador da iniciativa

HomeCARUARU E REGIÃO

Metrô do Recife será entregue à iniciativa privada; Estado será regulador da iniciativa

da Folha de Pernambuco,

Alvo de inúmeras queixas por parte dos usuários por problemas recorrentes de operação e infraestrutura, o Metrô do Recife será entregue à iniciativa privada, em uma concessão pública de 30 anos. O sistema é atualmente administrado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), uma entidade ligada ao governo federal.

Os trâmites do repasse, bem como a futura gestão do contrato de concessão, serão de responsabilidade do Governo de Pernambuco, que atuará como um regulador durante todo o processo. A primeira audiência pública sobre o tema deve ocorrer ainda neste mês de maio.

De acordo com a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag), a viabilização do projeto depende de recursos de aporte público, além do investimento feito pelo futuro concessionário. O montante previsto é de R$ 3,8 bilhões, entre verbas estaduais e federais, dos quais aproximadamente R$ 3,1 bilhões são de recursos da União e R$ 700 milhões, do Governo de Pernambuco.

As tratativas para o futuro modelo de gestão e operação do Metrô do Recife começaram em 2019. Segundo o secretário-executivo estadual de Planejamento, Marcelo Bruto, o Governo do Estado procurou o governo federal com demandas sobre soluções imediatas para os problemas operacionais e para viabilizar uma melhora definitiva.

“Uma solução definitiva que fosse bem estudada e ficasse de pé, que botasse o metrô de novo em uma condição de operar com pontualidade, com regularidade, com bom intervalo e que isso fosse sustentável pelas próximas décadas”, detalhou o gestor sobre o que se buscou durante as conversas.

Os estudos sobre o modelo viável foram concluídos no final de 2021 e apontaram para a concessão de longo prazo gerida pelo Estado. O valor estimado para o custeio do sistema do metrô durante o período é de R$ 8,4 bilhões. Um total de R$ 6 bilhões será destinado para as despesas de operação e os outros R$ 2,4 bilhões para investimentos na requalificação, sendo R$ 2,1 bilhões já nos três primeiros anos. Ainda segundo a Seplag, R$ 4,6 bilhões serão mobilizados pela concessionária ao longo dos 30 anos de cessão – os outros R$ 3,8 bilhões são os recursos advindos do poder público.

Marcelo Bruto destaca que o projeto de concessão representa uma requalificação ampla do metrô e prevê aquisição, entre outras coisas, de novas locomotivas. “Requalificação de via permanente, de sistema elétrico, de via aérea, de material rodante, inclusive absorvendo a necessidade de compra das locomotivas e o retorno a um nível de serviço de intervalos como a gente já teve alguns anos atrás e com a garantia de pontualidade e frequência amarradas num contrato de concessão de longo prazo”, cita o secretário-executivo.

(Foto: ANPTrilhos)

Melhorias

A expectativa com as futuras melhorias no sistema é que a Linha Sul, por exemplo, volte a operar com intervalos próximos a 10 minutos entre trens, e a Linha Centro, cerca de 6 minutos. O governo também espera que as constantes quebras, relatadas diversas vezes ao longo do ano, acabem.

“A gente espera a eliminação dessas questões de interrupção. A expectativa é que o metrô, de fato, opere como um metrô novo, com plena pontualidade, com frequência e com intervalos menores”, disse Bruto.

Em uma segunda fase, a concessionária poderá até mesmo expandir o metrô da capital pernambucana – esse ponto, no entanto, não está incluso na partida do projeto. Segundo o secretário-executivo, o Estado está fechando tratativas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para iniciar os estudos necessários sobre a expansão.

“A gente sabe que as pessoas estão sofrendo, reclamam há alguns anos e desejariam uma solução imediata. Soluções definitivas levam tempo para serem viabilizadas. O que está pensado aqui é que seja uma solução transformadora mesmo, que as pessoas voltem a confiar no equipamento e que seja uma solução para as próximas décadas, uma virada de página na mobilidade”, fechou o secretário-executivo Marcelo Bruto.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0